Boas vindas

não seríamos o que somos hoje sem os ensinamentos e heranças dos que vieram antes de nós.

O meu nome é Rogerio Ferreira Negrão e eu iniciei este site.
O site foi criado usando o MyHeritage.com. Este é um excelente sistema que permite a qualquer um, como você e eu, criar um site privado para sua família, criar sua árvore genealógica e compartilhar fotos de família. Se você tem qualquer comentário ou feedback sobre este site, por favor, clique aqui para entrar em contato comigo.
A nossa árvore genealógica está publicada online neste site! Existem 478 nomes no nosso site de família.
O site foi atualizado em 9 de Set de 2017, e ele tem atualmente 32 membro(s) registrado(s). Se você deseja se tornar um membro também, por favor clique aqui.  

Aproveite!


Ir para a árvore genealógica

Ir para as fotos de família
Notícias da família
Set 09, 2017
Roger Luiz Franco atualizou o seu perfil.
Roger Luiz Franco atualizou o seu perfil.
Roger Luiz Franco atualizou o seu perfil.
Roger Luiz Franco atualizou o seu perfil.
Set 08, 2017
Roger Luiz Franco atualizou o seu perfil.
Set 06, 2017
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: Ribeiro de Resende
Ago 11, 2017
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: Site da Família Selmer e Stockler
Jul 27, 2017
WELFARE JOELE PINTO publicou um artigo de notícias: FRANCISCO DE BORJA GARÇÃO STOCKLER
Jul 18, 2017
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: Gilson Vitorino Web Site
Mar 26, 2017
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: Pesquisas de AGFN
Dez 29, 2016
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: Pacheco Ferreira Web Site
Out 17, 2016
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: marcia aparecida bicego Web Site
Out 06, 2016
Leandro Antônio Pereira Faria Negrão criou um novo site de família: Souza, Pereira & CIA
Leandro Antônio Pereira Faria Negrão atualizou o seu perfil.
Leandro Antônio Pereira Faria Negrão atualizou o seu perfil.
Out 03, 2016
Rogerio Ferreira Negrão publicou uma nova versão da árvore genealógica 3l55j3_5201056578ek66t1t57355 do Family Tree Builder
Out 02, 2016
Geisa Negrão alterou detalhes de <Private> Negrão na árvore genealógica 3l55j3_5201056578ek66t1t57355
Geisa Negrão convidou Leandro Antônio Pereira Faria Negrão para o site.
Set 17, 2016
WELFARE JOELE PINTO afiliou-se à outro site de família: Famílias Araujo/Morais e Martins Web Site
Set 07, 2016
Geisa Negrão afiliou-se à outro site de família: Arvore Genealogica da Familia Rademaker Martins Web Site
Jun 22, 2016
O Rogerio Ferreira Negrão adicionou a fonte: Cartorio de Nepomuceno MG na árvore genealógica 3l55j3_5201056578ek66t1t57355
Rogerio Ferreira Negrão acrescentou 4 fotos no álbum Fotos de família
Visualizar mais
 
Visualizar slide show
 
Jun 21, 2016
O Rogerio Ferreira Negrão adicionou a fonte: familysearch.org na árvore genealógica 3l55j3_5201056578ek66t1t57355
Rogerio Ferreira Negrão publicou uma nova versão da árvore genealógica 3l55j3_5201056578ek66t1t57355 do Family Tree Builder
 
Visualizar notícias anteriores
Artigos de notícias
Histórias familiares:FRANCISCO DE BORJA GARÇÃO STOCKLER
Publicado por: WELFARE JOELE PINTO em Jul de 27 de 2017 16:51

FRANCISCO DE BORJA GARÇÃO STOCKLER (Lisboa, 25 de Setembro de 1759Faro, 6 de Março de 1829) foi um nobre, militar e administrador colonial português. Primeiro e único barão da Vila da Praia, alcançou o posto de tenente-general do Exército Português, 8.º capitão-general dos Açores, político e matemático. Foi um dos pioneiros do cálculo diferencial e um dos mais notáveis historiadores da Matemática em Portugal, autor de uma obra que ainda mantém relevância quase dois séculos após a sua publicação. Demonstrando grande erudição, também se dedicou à poesia e à literatura.

Índice

Biografia

Francisco de Borja Garção Stockler era filho de Cristiano Stockler, grande comerciante, natural de Lisboa, cavaleiro da Ordem de Cristo, e de sua mulher, D. Margarida Joséfa Rita de Orgiens Garção de Carvalho. Era neto paterno de Christian Stockler, natural de Hamburgo, homem de negócios estabelecido em Lisboa nos princípios do século XVIII onde representava os interesses de comerciantes das antigas cidades hanseáticas.

Garção Stockler casou, a 3 de Janeiro de 1796, com D. Inês Gertrudes de Mendonça e Moura, filha de D. João Francisco de Moura, cavaleiro da Ordem de Cristo e escrivão da Mesa Grande da Alfândega de Lisboa, e de sua mulher, D. Ana Catarina da Silva e Távora, de quem teve vários filhos. Tendo esta falecido em 1835, casou com D. Maria Margarida Stockler, sua sobrinha, filha de António Xavier Stockler, e de sua mulher D. Rita Inácia de Brito Lambert, não deixando descendentes desse casamento.

Ao longo da sua carreira Garção Stockler, apesar das inimizades e do período conturbado em que viveu, coincidente com as invasões francesas e com o dealbar do liberalismo, granjeou um impressionante acervo de títulos e cargos: fidalgo cavaleiro da Casa Real; do conselho de el-rei D. João VI, comendador da Ordem de Cristo, tenente general do exército, secretário e conselheiro do Conselho Ultramarino, governador do Algarve, governador e capitão general dos Açores; Secretário das Imediatas Resoluções do Rei relativas ao Exército; membro da Junta do Código Criminal Militar e da Junta convocada para a formação do projecto da Carta Constitucional em 1823; lente de matemática na Academia Real de Marinha; deputado da Junta de Direcção da Academia Militar do Rio de Janeiro, secretário da Academia Real das Ciências de Lisboa e sócio da Sociedade Real de Londres, para além de outras honras e cargos.

Por decreto de 29 de Setembro de 1823, de D. João VI, rei de Portugal, Francisco de Borja Garção Stockler foi feito barão da Vila da Praia em reconhecimento do seu desempenho enquanto governador e capitão-general dos Açores. O título foi concedido por uma vida, tendo sido seu único titular.

O tenente-general Francisco de Borja Garção Stockler, 1.º barão da Vila da Praia, faleceu no Algarve. Aquando da sua morte Stockler exercia o cargo de Governador das Armas do Algarve, nomeado por D. Miguel I.

Carreira académica

Destinado à carreira das armas, Garção Stockler cedo ingressou no Exército, seguindo o normal percurso da oficialidade da época. Em 1784, já com 25 anos e com a patente de capitão, matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde cursou Matemática. Obtido o grau de bacharel, foi nomeado lente da Academia Real de Marinha, iniciando aí um distinto percurso de investigação na área dos limites e do cálculo diferencial, então uma nascente área do conhecimento.

Pouco depois da sua nomeação para lente de Matemática na Academia Real de Marinha, Garção Stockler foi eleito membro da Academia Real das Ciências de Lisboa, iniciando um intenso labor académico do qual resultaram numerosas publicações insertas, a partir de 1791, nas Memórias da Academia. Essas publicações lidavam essencialmente com a teoria dos limites e com as temáticas que hoje vulgarmente se designam por cálculo diferencial, mostrando que estava a par dos mais recentes trabalhos que nesta matéria então se publicavam na Europa.

A sua actividade académica granjeou-lhe notoriedade suficiente para ser nomeado para o cargo de secretário da Academia, cabendo-lhe a elaboração do elogio de diversas personalidades do meio académico e político, entre as quais Pascoal José de Melo Freire dos Reis, José Joaquim Soares de Barros e Vasconcelos, Roberto Nunes da Costa, Martinho de Melo e Castro, Bento Sanches de Orta e Guilherme Luís António de Valleré. Alguns destes elogios históricos foram posteriormente publicados pela Academia e outros pelo autor, nas suas Obras Completas, das quais saíram os volumes I e II (em 1805 e 1826, respectivamente).

Também escreveu o elogio d’Alembert, inspirado no que havia sido escrito pelo marquês de Condorcet, demonstrando bem conhecer os trabalhos dos pensadores franceses coevos.

Numa honra raramente concedida a cientistas portugueses, Garção Stockler foi eleito a 1 de Abril de 1819 para membro correspondente ("Foreign Member") da Royal Society de Londres, numa proposta subscrita, entre outros, por John Rowley e S. R. Chapman.

A Guerra das Laranjas e as invasões francesas

Garção Stockler participou, sob o comando do marechal general D. João Carlos de Bragança Sousa e Ligne, 2.º duque de Lafões, nas campanhas de 1801 contra as forças invasoras do Príncipe da Paz, a famigerada Guerra das Laranjas. Stockler foi secretário militar do duque, de 1797 a 1801, e parece ter tido um papel importante na condução das operações, ficando o seu nome ligado ao estrondoso fracasso das forças portuguesas. Apesar disso, ou talvez por causa disso, foi nomeado para diversos cargos de importância, entre os quais para vogal do Conselho Ultramarino e membro da Junta do Código Criminal Militar.

Mais tarde, na sua obra Cartas ao autor da História Geral da Invasão dos Franceses em Portugal, publicada em 1816, tentou explicar as suas acções durante as invasões francesas e apresenta pormenorizadamente as propostas do marechal general e a sua interpretação dos factos que levaram à derrota portuguesa.

Quando em 1807 as forças francesas comandadas pelo general Junot entram em Portugal e a corte se retira para o Brasil, Stockler ainda exercia as funções de secretário da Real Academia das Ciências, sendo um dos dignitários que, em nome da Regência do Reino, se dirigiram a Sacavém para saudar o general invasor. Esta atitude, e ainda o facto da Academia haver de imediato eleito Junot para sócio, emitindo um diploma que, acompanhado por um discurso laudatório, foi entregue a Junot por Stockler, enquanto secretário da mesma, granjearam-lhe fama de colaboracionista, ao mesmo tempo que o colocavam na confiança dos franceses.

Aceitando de Junot o comando da bateria da Areia, próximo a Belém, que entrou em acção para impedir a saída de navios portugueses que pretendiam refugiar-se no Brasil, Stockler deu provas de verdadeiro colaboracionista, o que levou a que, após a retirada francesa, a Regência lhe retirasse todos os cargos e privilégios.

Na sequência de um requerimento em que Stockler, que já então era brigadeiro, pedia a reintegração, o conde de Linhares, Ministro do Príncipe Regente no Brasil, enviou ao presidente da Regência do Reino um ofício que bem demonstra a desconsideração em que havia caído: — Ex.mo e Rev.mo Sr.Tendo levado à augusta presença de Sua Alteza Real o príncipe regente nosso senhor a carta inclusa e mais papéis do brigadeiro Francisco de Borja Garção Stockler, cujos talentos militares verificados na campanha de 1801, são assaz constantes ao mesmo senhor, em cuja real presença é além disto mui pouco acreditado pela missão em que foi mandado a Junot, e depois pelo comando da bateria da Areia junto à Torre de Belém, donde barbaramente fez atirar sobre navios portugueses, que se faziam à vela para saírem do Tejo; contudo Sua Alteza Real ouvindo os sentimentos da sua incomparável justiça e piedade, é servido que os governadores do reino informem, interpondo o seu parecer e depois de ouvir o marechal general ou o marechal general do exército se haverá algum lugar activo em face do inimigo, onde o suplicante possa ser empregado, e neste caso o proponham para esse posto, a fim de que se verifique se ele tem realmente grandes talentos militares, ou se nesta matéria como nas outras se avalia muito além do que vale; o que é assaz conhecido quando, como matemático, quis associar-se ao tão justamente célebre Lagrange. — Palácio de Santa Cruz, em 25 de Novembro de 1809.Conde de Linhares.

A acusação de colaboracionismo com as forças francesas, e de incompetência militar na campanha da Guerra das Laranjas, surgiu publicada na História Geral da Invasão dos Franceses, de José Acúrsio das Neves, desencadeando uma longa polémica pública, tendo Stockler respondido numa obra intitulada Cartas ao autor da História Geral da Invasão dos Franceses em Portugal, que a Academia se recusou a publicar, mas que foram publicadas pelo autor. A polémica não se esgotou com esta publicação, prosseguindo pela via epistolar, tendo Stockler publicado as cartas no Investigador Portuguez.

Contudo, apesar dos ódios e incompreensões, conseguiu a reintegração e a promoção a marechal-de-campo, recomeçando, contra todas as probabilidades a sua carreira.

A estadia na corte do Rio de Janeiro

Em 1812 parte para o Brasil, ingressando na corte e reconquistando, com notável rapidez, ao que se diz pelas suas qualidade intelectuais, a confiança do Governo e do príncipe regente.

Garção Stockler ainda residia no Rio de Janeiro aquando, por morte da rainha D. Maria I, o príncipe regente D. João foi aclamado rei com o título de D. João VI. Coube-lhe então, em nome da Academia Real das Ciências de Lisboa, produzir um Discurso dirigido em nome da Academia Real das Ciências a Sua Majestade o Senhor D. João VI, por ocasião da sua exaltação ao trono, que foi publicado no tomo VI, parte I, das Memórias da Academia.

Para além do seu labor académico enquanto matemático, Garção Stockler também se interessou pela poesia, escreveu uma obra poética, a que chamou Poesias Lyricas, constando de odes horacianas, salmos traduzidos e de um poema filosófico, Aves, que fora principiado pelo poeta brasileiro Sousa Caldas. Numa clara manifestação de erudição, Stockler incluiu no volume uma dissertação sobre o ritmo na poesia hebraica.

Submetida à Academia, a obra foi considerada, por parecer emitido em 1819, como violando a ortodoxia católica, ventilando ideias consideradas paradoxais. Stockler não aceitou modificar a obra, recorrendo à sua publicação em Londres. Em resultado, a obra foi efectivamente condenada, mais tarde, em Roma, por decreto da Sagrada Congregação do Index, de 23 de Junho de 1836, e incluída no Index Librorum Prohibitorum.

Data também deste período a elaboração da obra Ensaio histórico sobre a origem e progressos das matemáticas em Portugal, posteriormente publicada em Paris, que despertou logo crítica favorável pelos estudiosos coevos, como José Silvestre Ribeirão na Resenha de Litteratura Portugueza, tomo I, páginas 16 e seguintes, e o artigo inserto nos Annaes das Sciencias, das Artes e das Letras, no tomo V, páginas 138 a 156. Esta obra, que já foi objecto de reedição, mantém-se como uma das melhores histórias do pensamento matemático português até aos alvores do século XIX, e uma das primeiras obras do género publicadas na Europa.

Também durante esta estadia no Brasil, interessou-se por temas de educação, sendo autor de um estudo sobre o estabelecimento da instrução pública no Brasil, um projecto pioneiro naquele país e onde é patente a erudição e o conhecimento que Stockler tinha do pensamento europeu coevo. Aquele projecto ainda mantém interesse na história da educação e da pedagogia.

Outra das funções que exerceu foi a de deputado da Junta de Direcção da Academia Militar do Rio de Janeiro, onde, em conjunto com Wilhelm Ludwig Freiherr von Eschwege, o barão de Eschwege, teve papel importante na estruturação do ensino nas áreas da matemática e da física. Esta escola militar, criada por carta régia de 4 de Dezembro de 1810 iniciou as suas actividades a 23 de Abril de 1811. É uma das instituições antecessoras da actual escola superior do Exército brasileiro, a Academia Militar das Agulhas Negras, e foi a primeira escola de engenharia no Brasil.

Stockler nas funções de Capitão-General dos Açores

Durante a sua estadia no Rio de Janeiro surgiram profusas queixas na corte ali instalada sobre a actuação do brigadeiro Francisco António de Araújo e Azevedo nas funções de Governador e Capitão-General dos Açores. As populações e as autoridades insulares queixavam-se do seu rigor nos recrutamentos militares e particularmente da sua acção no arroteamento de baldios públicos, que eram concedidos, acusavam as câmaras das ilhas, a particulares, em geral amigos do Capitão General, em detrimento do interesse dos povos. Essa apropriação dos baldios deu origem a profundos ódios e desavenças e, mais tarde, conduziu aos motins da Justiça da Noite que, durante décadas, abalaram a pacatez insular.

Estando na corte, e tendo ganhado notoriedade pela sua produção académica e inteligência, Garção Stockler conseguiu ser nomeado por D. João VI, em 12 de Novembro de 1819, para ir substituir o capitão-general caído em desgraça. Stockler partiu para Lisboa em Agosto seguinte com o fito de receber da Regência as ordens necessárias à governação dos Açores.

Por esta mesma altura desencadeia-se em Portugal o movimento constitucional. É assim em plena fase inicial da Revolução de 1820 que Stockler chega a Lisboa. Embora sendo claramente antiliberal, aparentemente a fama de jacobino e de colaboracionismo com os franceses foi-lhe aqui útil. A Junta revolucionária que governava o país recebe-o e reconfirma-o no cargo, permitindo a sua partida para os Açores.

A sua chegada aos Açores, a 18 de Outubro de 1820, foi saudada com efusiva alegria, pois significava o fim da tirania do brigadeiro Francisco António de Araújo e Azevedo. Ambos os partidos depositavam esperanças na sua actuação: os liberais, acreditando que a reconfirmação dada pela Junta Suprema era um sinal de ideias pró-constitucionais; os absolutistas convictos que a sua nomeação por D. João VI antes da revolução era uma garantia da sua adesão ao rei absoluto.

Tiveram razão os absolutistas, já que Stockler proibiu os contactos políticos com Portugal e obrigou todo o expediente administrativo e judicial açoriano a ser enviado para a corte do Rio de Janeiro, não reconhecendo a legitimidade e autoridade das instituições de Lisboa.

Quando se aperceberam da orientação do novo capitão-general, os liberais açorianos iniciaram movimentações no sentido de proclamarem, pela via revolucionária, o constitucionalismo no arquipélago. Foi assim que, capitalizando o descontentamento com a governação dos capitães-generais, com sede na Terceira, ilha que diziam dominava todas as outras e absorvia o grosso dos recursos fiscais, a 1 de Março de 1821, uma revolta militar em Ponta Delgada, inspirada por elementos civis que pretendiam a libertação da ilha de São Miguel àquilo que entendiam como o jugo da Terceira, instala o regime constitucional na ilha de São Miguel e proclama a independência daquela ilha do Governo de Angra.

Stockler ainda tenta resistir, mas logo a 2 de Abril de 1821 uma revolução constitucional em Angra, inspirada pelos deportados da Amazona e pelos seus conversos, reinstala no poder o brigadeiro Francisco António de Araújo e obriga Stockler a refugiar-se na Praia. Contudo, dois dias depois, a 4 de Abril, num contra-golpe militar ocorrido no Castelo de São João Baptista do Monte Brasil, o brigadeiro Araújo é morto e Stockler retoma o poder.

É neste contexto que Almeida Garrett, que pouco antes fundara em Coimbra a loja maçónica e secreta Sociedade dos Jardineiros, se desloca entre Maio e Agosto de 1821 à Terceira, talvez como emissário da Maçonaria, para tentar firmar a nova legalidade constitucional na ilha, no que encontra forte oposição de Stockler, que ameaça prendê-lo caso ele se manifestasse publicamente a favor da Constituição. Deste episódio resultou o poema herói-cómico O X, ou a incógnita, que Garrett escreve, sem concluir, alusivo ao capitão-general (aparecido em edição póstuma em 1985).

Contudo, a 13 de Maio de 1821 chegou à Terceira a fragata Pérola, comandada pelo Capitão-de-Mar-e-Guerra Marçal Pedro de Ataíde Barahona, e este intimou Stockler para que reconhecesse o governo liberal. Stockler insurgiu-se contra a intimação e resistiu, mas não encontrou o apoio que esperava na população, pelo que a 15 de Maio de 1821, em cerimónia solene realizada na Câmara de Angra, são juradas em Angra as bases da futura Constituição. Stockler abdica do cargo de Governador e Capitão General mas fica, em conjunto com o bispo da diocese, D. frei Manuel Nicolau de Almeida, adido ao governo.

Esta solução não foi aceite pelas Cortes e a 19 de Julho de 1822, pelo brigue Flor do Mar, chega ordem régia para Stockler e o bispo saírem da ilha Terceira, o que estes cumprem a 11 de Agosto de 1822.

À chegada a Lisboa Stockler é colocado sob prisão por ordem das Cortes, desencadeando um processo que em boa parte decorreu através da publicação de sucessivas justificações e refutamentos e de longos debates pela imprensa, escrevendo Stockler um Memorial dirigido ao Ill.mo sr. Luiz Manuel de Moura Cabral, desembargador da Casa da Supplicação, illustrado com algumas notas, além de muitas obras que assinava com pseudónimos ou a que punha o nome do filho, António Nicolau de Moura Stockler, que então contava apenas 17 anos de idade.

Essas obras são as Cartas sobre os acontecimentos da ilha Terceira, por um Cidadão imparcial, a Nota ao n.º 75 do Campeão Lisbonense por um Amigo do general, as Observações ou notas illustrativas do folheto intitulado «Voz da Verdade provada por documentos», a Carta sobre o n.º 2 do folheto intitulado a «Voz da Verdade» e a Analyse critica ao libello famoso intitulado «Noticia resumida dos acontecimentos da ilha Terceira na installação do seu governo constitucional», tudo isto com o nome de seu filho.

Finalmente o próprio, general respondeu com o seu nome num folheto a umas Notas Críticas, publicadas em 1822 pelo Dr. Vicente José Ferreira Cardoso da Costa, a um ofício que ele dirigira ao conde dos Arcos.

Todas estas questões, e o processo judicial a elas associado, terminaram com a queda do governo constitucional em 1823, em resultado da Vilafrancada, ficando o comportamento de Stockler ilibado à face da lei, pois se tornava em acção meritória o que até então lhe imputavam como delito. Por sentença de 10 de Junho de 1823, foi a conduta de Stockler julgada benemérita, legal e recomendável, ficando totalmente reabilitado. O mesmo aconteceu com o bispo.

Sendo um dos presos políticos libertados, Stockler granjeou grande renome, pelo que de imediato foi nomeado para a comissão encarregue de elaborar uma Carta de Lei que preenchesse o vazio deixado pela revogada Constituição. Extinta esta comissão, sem qualquer lei produzida, Stockler foi de novo nomeado governador e capitão-general dos Açores, sendo também agraciado com o título de barão da Vila da Praia, por decreto de 29 de Setembro de 1823.

A bordo da charrua Princesa de Portugal, Stockler chega a 17 de Novembro de 1823 a Angra, reassumindo dois dias depois as suas funções. A recepção foi apoteótica, com três dias de festejos e um sem cessar de homenagens e juras de fidelidade. Seguiu-se de imediato a perseguição aos liberais e seus simpatizantes, com numerosas prisões e expulsões da ilha, criando-se um reino de terror que só tivera paralelo aquando da invasão castelhana de 1583.

Decorria este período de repressão quando a 14 de Maio de

0 Comentários|%1 Visitas|Ver artigo integral
Outro:No caso de traca de e-mail
Publicado por: WAGNER Jardim da Costa em Fev de 28 de 2013 19:24
26 fev 20130 Comentário

E-mail velho

Muita gente tem trocado seus e-mails por diversos motivos. Mudança de provedor, e-mail saturados de spam, novas contas e novos contatos.

Todas estás situações são comuns na nossa vida, afinal estamos sempre renovando e mudando nosso gosto e preferência.

Mas estas mudanças podem causar grandes problemas quando se é inscrito em vários sites, inclusive MyHeritage, que o e-mail é o único modo de acesso.

É necessário mudá-lo para manter o acesso, o recebimento de mensagens e comunicações.

A mudança é bem simples, mas vamos mostrar para quem ainda não conhece. Siga os passos para mudar o seu e-mail se necessário.

Toda a relação sua com o site MyHeritage está centralizada em sua conta pessoal, os dados desta conta podem ser acessados passando-se o mouse sobre o seu nome, no canto superior direito da página como na figura e depois escolha

Ao seguir este caminho, você estará na página de seu perfil e com diversos caminhos a serem seguidos, para trocar seu e-mail existem dois caminhos: De forma indireta o acesso EDITAR CONTA que te leva a todos os dados da conta e onde terá um link para TROCAR E-MAIL E SENHA ou o acesso direto E-MAIL E SENHA. (clique para ampliar)

Na próxima figura, você já encontrará a página de mudança de e-mail. (clique para ampliar)

Observe que esta página trás algumas instruções básicas de como manter seu acesso ao site sempre bem seguro. Uma vez definido a mudança, somente você terá acesso ao site. Não divulgue a sua senha para ninguém.

Após realizada a operação de troca, salve a informação no final da página. Uma mensagem irá aparecer no topo da página com o resultado.

Se porventura, aparecer que a operação não foi bem sucedida, verifique se o e-mail que você está tentando inserir como novo já não tem registro em MyHeritage. O site não irá aceitar e-mails já registrados. Seria bom você ler também a matéria sobre o uso de múltiplos e-mails. Clique aqui.

Em todo caso, nossa equipe poderá ajudar caso o novo registro se torne impossível de ser conseguido. Escreva um e-mail para support@myheritage.com e coloque no corpo de seu e-mail todos os possíveis e-mails que você já tenha usado para se registrar em MyHeritage.

Gostaríamos que você reparasse em um pequeno detalhe que passa despercebido de muita gente. A gerencia de seu site é de total domínio seu, MyHeritage não restringe acesso a nenhuma das operações de controle e basta você conhecer os comando adequadamente para assumir o leme de seu Site de Família. Boas pesquisas Comandante.

0 Comentários|%1 Visitas|Ver artigo integral
Obituários:Joaquim Negrão Lobo
Publicado por: Geisa Negrão em Ago de 15 de 2012 17:22

É com pesar que comunico o falecimento do primo Joaquim Negrão Lobo (filho de Elza Negrão Lobo e neto de José Belino Negrão e Adalgiza Gomes Negrão), no dia 13/08/12 na cidade de S.J.Campos. Seu velório e sepultamento ocorreram no dia 15/08/12.

0 Comentários|3 Visitas|Ver artigo integral
Obituários:Falece o primeiro primo de nossa geração
Publicado por: WAGNER Jardim da Costa em Maio de 27 de 2011 09:53

A Familia Jardim esta em luto pelo passamento do seu primeiro primo da segunda geração.

Airton Jardim de Toeldo falece em São Bernardo do Campo e será velado e cremado no Cemitério de Vila Alpina das 13h00 as 16h00 horárioo de sua cremação.

Aos familiares Wilma, Viviane, Tatiane, Marcio filhos e netos nossos pesames.

Wagner Jardim

0 Comentários|1 Visita|Ver artigo integral
Notícias locais:Convite da Dercy Jardim a toda familia
Publicado por: WAGNER Jardim da Costa em Fev de 10 de 2011 08:07
Querida Família,
Envio para vocês, com muito prazer, o convite do aniversário da mamãe, onde faremos um culto em Açao de Graças.
Eu gostaria de ter encaminhado para o endereço de cada um, porém como não tenho o endereço de todos e hoje o email é o canal da comunicação, estou aproveitando.
Nesta semana minha mãe estava comentando comigo de alguns membros da família que ela não vê a anos...e sente muitas saudades.
Assim gostaríamos de contar com todos vocês e suas famílias; pois além do aniversário dela, é uma grande oportunidade de reunirmos a família num momento de alegria.
Com certeza minha lista não está completa. Me ajudem, por favor, se omiti alguem.
Um grande beijo em cada um e até o dia 26/02.


Dercy Jardim
Tel. 11 2950-8948 r 210
www.ofos.com.br
0 Comentários|%1 Visitas|Ver artigo integral
Importante:Talita escreve matérias e é reconhecida...
Publicado por: WAGNER Jardim da Costa em Nov de 19 de 2010 17:21
Olá!
Como alguns sabem, gosto muito de escrever! E com muita honra informo que o artigo "Tango para Tereza" foi publicado no lindo site do jornalista, professor e escritor Guilherme Azevedo: www.jornalirismo.com.br
Escrevi sobre minhas andanças, desta vez pelos cortiços de São Paulo: descobertas sobre humanidade, realidade social, e uma encantadora surpresa no meio da história.
Outros textos do meu Blog também estão no site, entre eles:

- SARAU Noites na Taberna, com o título: "Do milagre do vinho e da poesia"

- E "Um convite a ouvir o silêncio"

Deixo o convite para uma visita ao site Jornalirismo e ao Blog http://talitacomunica.blogspot.com
Para quem quiser seguir meus posts no Twitter: @talitafg
Alguns leitores postaram, gentilmente, comentários pra lá de emocionados.
Agradeço e venho dividir esta alegria com você!!!
Obrigada por sua atenção!
DIVIRTA-SE...!!!
[ ]'s
Talita Godoy
0 Comentários|%1 Visitas|Ver artigo integral
Visitas
0001091